NAMIBE VOLTA A MOÇÂMEDES, MAS OS MUNÍCIPES ESTÃO INDIFERENTES :

Partilha e cria impacto...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

image

 

Por: Bruno Arrobas

 

 

A capital do Namibe volta a designar-se Moçâmedes, por despacho de um documento oficial do Governo provincial. Era assim anteriormente chamada.

 

 

Segundo edital n. 1/16 de 24 de Julho do corrente ano, assinado pelo governador provincial, Rui Falcão, com base na conjugação das Leis 17/10 de 29 de Junho e a Lei n. 8/16 de Junho, Lei da codificação da circunscrição territoriais, o governo provincial do Namibe dá a conhecer que o município de Namibe passa a designar-se de Moçâmedes, mas a a província mantém-se Namibe.

 

 

Administrador do município em causa, João Guerra de Freitas, afirmou que este assunto relacionado com a mudança de nome da cidade do Namibe para Moçâmedes vem desde os anos 1976 e 1977, “hoje finalmente o assunto foi resolvido, merecendo a satisfação dos populares particularmente dos que já vivem nesta terra há varias décadas”, concluiu.

 

 

Para alguns munícipes, a mudança não trará nada de novo, já que muitos ainda continuavam a chamar a cidade de Moçâmedes, mesmo sendo Namibe. “A mudança deixou-me muito contente, porém não mudará nada nas nossas vidas, sempre chamamos de Moçâmedes “, enfatizou Graciano Elioenai.

 

 

A VIDA DOS PORTUGUESES

 

 

A cidade foi fundada em 1840 e, até 1985, teve o nome de Moçâmedes, e fora substituída por Namibe, tem o terceiro maior porto de Angola, depois de Luanda e Lobito.

 

 

A zona de Moçâmedes, posteriormente baptizada de Namibe, era vital para os Portugueses.

 

 

Era impensável progredir para leste, com ideias de ocupação do território, sem possuir a retaguarda, junto ao mar, uma posição solidamente estabelecida.

 

 

Décadas antes, com o envio de várias expedições de exploração e reconhecimento às paragens meridionais, as mais famosas foram as que ordenou o governador de Angola, barão de Moçâmedes, em 1785 (uma por mar e duas por terra).

 
Mais tarde, em 1839, veio uma corveta comandada pelo capitão-tenente Pedro Alexandrino da Cunha, que estabeleceu contacto com os povos da zona (Cuvales, do grupo Herero).

 

 

Foi decidida a instalação de uma colónia em Moçâmedes, encravada entre as águas da baía e o deserto. Chegaram alguns comerciantes, oriundos sobretudo de Benguela e de Luanda. Nasceram feitorias na praia. E, em 1840, decidiu-se a construção da fortaleza de S. Fernando.

 

image

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
Partilha e cria impacto...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz